Pe. Fernando Steffens
A poesia deixa a vida mais leve...
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
Ventre da vida
 
Minha mãe! Minha querida mãe!
Um dia fomos um
Eu em ti, formando um só corpo contigo
Tu em mim – amor, puro amor.
Um nó de gente
Amarrado para sempre no ventre da vida.
 
Conheci teu rosto quando me deste à luz
E chorei,
porque separavam-me de ti.
Não compreendia que teu amor era muito
E teu ventre já não o [me] continha mais.
[Querias pegar-me no colo
Aconchegar-me em teu peito
Alimentar-me com teu leite
Reconhecer-te em minha face].
 
Chorei,
porque pensava que tinham te roubado de mim
Ou me roubado de ti – eu não sei!
Senti-me órfão e desabrigado
Pois não tinha mais minha mãe, minha casa.
 
Chorei,
Porque o calor do teu corpo
Não me aquecia mais.
Gritava, desesperado,
Tentando entender porque havias deixado
Que fizessem aquilo comigo.
[Mãe... mamãe... me ajuda! Salva-me! Eu te amo tanto!]
 
.....
 
Parei de chorar ao ver-te sorrindo
– eu nunca havia visto um sorriso antes
mas reconheci seu som
pois quando me descobriste dentro de ti
também sorristes, daquele mesmo jeito –
 
....
 
Minha mãe! Minha querida mãe!
Reconheci quem eras
Quando ao primeiro choro
Vi surgir teu rosto à minha frente
E outra vez aquele sorriso!
Senti que éramos um novamente
E a saudade do teu ventre
Bateu em minha porta.
Não hesitei,
abri a porta
deixei-a entrar
Ditou-me, então estes versos
Que agora te entrego.
Deposito-os em teu ventre
Esperando que eles fecundem minhas
[nossas]
Lembranças
Gerando-me em ti outra vez.
 
 
....... [ o tempo passou] .......
 
 
Outra vez me encontro chorando
Mas teu sorriso não mais o vejo.
Permaneces aí, deitada
Com as mãos sobre o ventre que me gerou
E não sorris para mim
– sentirei falta do teu sorriso –
 
[.....]
 
Minha mãe! Minha querida mãe!
Hoje é meu ventre que te acolhe.
Renasces em cada lágrima que dos meus olhos escorrem.
Dou-te colo em cada lembrança revivida.
Alimento-te em cada Eucaristia celebrada.
Cedo meu peito para que te reclines à noite.
Reconheço-te em mim – sou teu filho!
Fernando Steffens
Enviado por Fernando Steffens em 09/05/2020
Comentários
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links